CENTRO HISTÓRICO

O roteiro pelo centro histórico de Piraquara é um passeio de lazer e cultura para curtir a cidade. 

O Centro Histórico de Piraquara apresenta características arquitetônicas de época que se mantêm presentes no cotidiano da população. As obras da Estrada de Ferro que liga Paranaguá a Curitiba, teve papel importante na origem do município de Piraquara. O então povoado foi beneficiado com a construção de uma Estação Ferroviária em 1880, a partir de então se ocasionou gradativamente o desenvolvimento social e econômico da região.

Dentre o conjunto arquitetônico, encontram-se o Casarão da Família Sousa Tesserolli, a Igreja do Senhor Bom Jesus dos Passos, a antiga Estação de Trem, além dos novos espaços museológicos, como a Casa da Memória e o Centro de Memória Ferroviária. O Centro Histórico conta ainda com uma linda área de lazer urbana o Parque das Águas Jacob Simião, estruturado numa antiga região central da cidade, adotada pelos primeiros piraquarenses como espaço recreativo.

O Casarão da família Souza Tesserolli, edifício tombado e reconhecido enquanto patrimônio histórico do Paraná, foi construído em 1923.

Igreja do Senhor Bom Jesus dos Passos

A inauguração da atual Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus dos Passos aconteceu em 1921. O Padre Lecont, francês, foi o responsável pela iniciativa da construção da Matriz, com muita persistência. Com o início das obras da ferrovia e o movimento provocado com a chegada de novos moradores, o povo sentiu a necessidades de ter uma igreja. Assim, um grupo se uniu e construiu uma pequena capela de madeira, por volta de 1978. Em data não determinada, a Baronesa do Cerro Azul ofereceu à capela uma imagem do Senhor Bom Jesus dos Passos, a quem essa passou a ser dedicada. O Senhor Bom Jesus dos Passos é o padroeiro de Piraquara e seu dia é comemorado em 06 de agosto. No dia 1º de julho de 1923 realizou-se a colocação dos sinos na torre da Matriz, com uma missa de ação de graças

Casa da Memória Manoel Alves Pereira, guardiã da história e da memória da cidade.

O prédio onde hoje é a Casa da Memória tem grande importância para Piraquara, pois já foi sede da Prefeitura, Fórum, Biblioteca, Câmara Municipal e até uma Unidade de Saúde. Inaugurado em 1928, na gestão do prefeito Leônidas Alves Cordeiro, sediava na época a Câmara e a Prefeitura Municipal. A partir de 1938, sediava também um Posto de Saúde que atendia principalmente gestantes e bebês. A partir de 1989, passou a ser a Secretaria de Cultura e Esportes. Hoje, a Casa da Memória abriga um acervo da cidade, com documentos, móveis, muitos objetos antigos e imagens históricas.

Manoel Alves Pereira: O seu patrono, Manoel Alves Pereira, foi duas vezes Prefeito de Piraquara, eleito para o pleito de 1969 a 1973, voltando ao posto em maio de 1982 e permanecendo até fevereiro de 1983.

Linha Férrea

A construção da ferrovia começou em 1880, mas era considerada impossível por engenheiros europeus. O objetivo da ferrovia era estreitar a relação entre as cidades do litoral paranaense e a capital, além de ligar o Porto de Paranaguá aos sul do Brasil, para a distribuição dos grãos, garantindo o apoio ao desenvolvimento econômico da região. Em 02 de fevereiro de 1885 a ferrovia foi inaugurada. Participaram da primeira viagem engenheiros, autoridades federais e locais, jornalistas e outros convidados, e a viagem entre Paranaguá e Curitiba durou nove horas. A Ferrovia tem 110 quilômetros de extensão, com centenas de obras de arte da engenharia como 13 túneis ativos e um desativado, 30 pontes e inúmeros viadutos de grande vão.

A Escola Manoel Eufrásio marcou a vida de milhares de piraquarenses.

O ano de 1911 marca a fundação do primeiro Grupo Escolar, do então, município de Deodoro. A sua denominação foi em homenagem o ilustre político parnanguara Manoel Euphrásio Corrêa, então delegado e promotor público, que atuou no município.

Em 1924, tinha um número de 81 alunos; do município recentemente formado. Porém, com o passar dos anos, e consequentemente, com o natural aumento da população em idade escolar, houve a necessidade da sua ampliação.

A partir de 1980, a escola passou a denominar-se Escola Estadual Manoel Eufrásio. Até o ano de 1992 o prédio pertencia ao Estado. Com as mudanças das políticas educacionais, o ensino fundamental de 1ª a 4ª série ficou ao encargo dos municípios, desta forma os prédios foram repassados para a administração municipal, onde passou a denominar-se Escola Municipal Manoel Eufrásio.

Letreiro Turístico, primeiro monumento estilizado com os elementos característicos do município.

Com 10,2m de comprimento, letras com 1,40m de altura e o coração alcançando 2,50m, o letreiro turístico de Piraquara fica na Avenida Getúlio Vargas, esquina com a Rua Roque Vernalha. O monumento conta com letras caixa de aço galvanizado, pintura automotiva e aplicação de vinil adesivo. Durante a noite, recebe iluminação de cinco refletores em led, 100 watts.

ELEMENTOS

P - Araucária representa a flora;

I - Referência aos povos indígenas;

R - Carcará representa a fauna;

A - Igreja Nossa Senhora de Assunção representa a colonização;

Q - Água;

U - Água;

A - Água nas três letras representa a riqueza hídrica;

R - Morro do Canal representa o relevo;

A - Linha Férrea representa a memória e história do município. 

Centro de Memória Ferroviária de Piraquara  “João Tesserolli Junior”

Criado em 2017, funcionou de forma provisória na Casa da Memória e agora conta com espaço exclusivo e estruturado. É um centro dedicado a pesquisa e estudos dos alunos piraquarenses, além de um local de conservação da memória e do patrimônio ferroviário do município e do Paraná.

O museu recebeu ambientação temática e conta com fotografias, objetos, instrumentos, documentos, utensílios e equipamentos de época utilizados pelos ferroviários que tiveram papel fundamental no povoamento e desenvolvimento de Piraquara.

João Tesserolli Junior: Centro de Memória Ferroviária de Piraquara foi nominado “João Tesserolli Junior”, em homenagem a um personagem importante para o desenvolvimento ferroviário do Paraná, que ocupou diferentes funções na Rede de Viação Paraná Santa Catarina

Antiga Estação

Piraquara praticamente foi criada pela Estrada de Ferro, construída a partir de 1880, cuja planta da futura cidade, foi feita pelo Eng.° Ferroviário Jorge Benedicto Ottoni. Piraquara constituiu uma das primeiras experiências em planejamento urbano. A cidade desenvolveu-se em torno da estação onde surgiram serrarias e engenhos de mate. As grandes florestas de araucária da região seriam o principal produto de transporte da nova Estrada de Ferro e uma das razões de sua viabilidade econômica.

Parque das Águas Jacob Simião

Localizado na Região Central de Piraquara, o Parque das Águas Jacob Simião conta com dois lagos, dois vertedouros, decks, bosque, pista de caminhada, mirantes com vista panorâmica, palco com arquibancada, playground infantil, academia ao ar livre, quiosque, banheiros, estacionamento, paisagismo e arborização o local recebe centena de pessoas diariamente e é espaço para diversas atividades esportivas e culturais do município. O parque é aberto de segunda à domingo, das 6h00 às 20h00.

Feira do Centro Histórico

O local escolhido para receber a nova feira foi a Rua Cel. Manoel Alves Cordeiro, região histórica, marco do povoamento e desenvolvimento socioeconômico de Piraquara, a partir da instalação da Estação Ferroviária, em 1880. O conjunto arquitetônico permanece preservado nas proximidades, por meio dos prédios históricos, que relembram os antigos armazéns e o comércio de época.

É realizada das 10h às 16h, com a participação de vários expositores. Ocorre sempre no segundo domingo de cada mês. Assim como as demais feiras do município, ela é uma iniciativa dos próprios feirantes do município com o apoio da Prefeitura de Piraquara.

Compartilhe seu conteúdo nas redes sociais: